Rumo investirá R$ 4,7 bilhões e Cosan prevê crescimento em 2019

Receita líquida do grupo em 2017 foi de R$ 55 bilhões

O grupo Cosan está “muito otimista” quanto às perspectivas para a economia brasileira em 2019, com previsão de crescimento dos negócios em todos os segmentos em que atua – energia e logística – em maior ou menor ritmo.

“A perspectiva é muito positiva para o próximo ano, já havendo passado as eleições e com o PIB crescendo. O ambiente é melhor”, informou ao BVMI o presidente da holding Cosan Limited, Marcos Lutz, cuja receita líquida proforma em 2017 foi de R$ 55 bilhões.

Na Raízen, joint venture com a Shell, a expectativa é de continuidade da retomada da demanda de combustíveis, e de redução de custos e aumento de eficiência no segmento de açúcar e etanol, preparando a Raízen Energia para um crescimento mais forte no futuro.

O petróleo, observou Lutz, será ainda por muitos anos a principal fonte de energia do país para mobilidade. O processo de eletrificação de automóveis ainda não traz preocupação para o braço de distribuição de combustíveis.

Já a Rumo, concessionária de ferrovias e terminais portuários, está criando capacidade para avançar no transporte de cargas. A greve dos caminhoneiros em maio mostrou que há espaço para a ferrovia crescer. “Estamos criando capacidade na Rumo para o plano de crescimento”, afirmou Lutz.

A Rumo busca aprovação do Tribunal de Contas da União para prorrogar antecipadamente por mais 30 anos a concessão da Malha Paulista, uma das mais importantes da companhia, que integra o corredor Rondonópolis (MT) – Santos (SP). Em troca, se compromete a investir R$ 4,7 bilhões para expandir a oferta de transporte anual de 30 milhões para 75 milhões de toneladas.

Em relação à Moove, de lubrificantes, Lutz afirmou que se trata de um negócio menor dentro do grupo, mas que tem tudo para crescer em participação de mercado. No exterior, a Moove comercializa produtos Mobil na Bolívia, no Uruguai, no Paraguai, na Argentina e na Espanha. Com a marca Comma, está presente em mais de 40 países da Europa e da Ásia.

Também a Comgás, de distribuição de gás natural, tem potencial de crescimento grande. E a empresa vem entregando resultados nessa direção, acrescentou.

Questionado sobre um possível interesse da Cosan em refinarias no Brasil, Lutz afirmou que, no momento, operações dessa natureza não estão na estratégia da companhia.

Conforme o executivo, pelo fato de a Cosan ser uma empresa relevante no mercado de distribuição de combustíveis, o refino afeta seus negócios e, portanto, a companhia vai acompanhar o processo de venda de participação da Petrobras em refinarias.

“Se classificamos isso como uma grande oportunidade? Não. Vamos olhar, mas não estamos muito entusiasmados. Não temos refinaria em nossa estratégia de Brasil neste momento”, acrescentou.

Em relação à estratégia de alocação de capital da holding Cosan Limited, o comando da companhia disse que a prioridade é a recompra de ações. “O topo das prioridades é recomprar ações, que acreditamos estar em bases bastante atrativas”, disse o diretor financeiro e de relações com investidores, Marcelo Martins.

Conforme o executivo, o caso mais claro de oportunidade de recompra, neste momento, é o da própria holding, a exemplo da operação de US$ 100 milhões que já está em curso.

De acordo com Martins, a reorganização societária anunciada pelo grupo em outubro – e cancelada após repercussão negativa junto aos investidores – tinha por objetivo dar liquidez aos acionistas da Cosan Logística.

Há um mês e meio, a Cosan S.A. informou que iniciaria estudos para uma potencial incorporação da Cosan Log, que colocaria a Cosan S.A. como controladora direta da Rumo, mantendo a Limited no controle indireto.

“No momento do anúncio, ainda não sabíamos qual seria o formato da reestruturação. Como não tínhamos isso e o mercado não pôde entender o que seria, decidimos cancelar e mandar a mensagem de que não faremos uma reorganização que não seja bem-vinda pelo mercado”, disse Martins. “Quando tivermos um sinal positivo sobre como será, voltaremos ao mercado”, afirmou.

FonteBVMI – Stella Fontes-Fernanda Pires/Valor

Dica do BVMI – Trabalhe na Cosan S.A., acesse “Trabalhe Conosco”, desejamos a todos boa sorte nos negócios e em seu processo de recolocação!

Dica de negócios – Clientes CityCorp já sabiam deste investimento com antecedência e já estão se preparando para realizar excelentes negócios na cadeia de fornecedores que está sendo formada para atender as necessidades desta holding. Este e mais de 16 mil investimentos industriais estão à disposição de nossos clientes ativos, conheça o Projeto OObi e venda com relacionamento, inteligência e rentabilidade no mercado industrial.

Dica de OURO – Aprenda a VENDER no mercado Industrial, leve para sua empresa no formato In Company o HPIS – HIGH PERFORMANCE INDUSTRIAL SALES e com uma metodologia exclusiva de vendas faça seu negócio faturar milhões.

#industrialsales
#vendasindustriais
@LicioMelo

Compartilhe essa notícia com seus contatos: