Dinheiro de investidor estrangeiro volta forte ao mercado industrial brasileiro

Investimento externo foi de US$ 14,8 bi no primeiro trimestre, mas tem industrial esperando cliente pular no colo

Aqui no BVMI publicamos no mínimo um investimento industrial direto relevante diariamente, mas o que vejo nas reuniões com diretores e gestores industriais é uma choradeira sem fim, só posso concluir que algo deve estar errado em suas ações e estratégias comerciais.

Uma vez que após dois anos de cautela em função da crise, os investidores estrangeiros voltaram a demonstrar maior apetite por negócios no Brasil. De janeiro a março eles já foram responsáveis pelo ingresso de US$ 14,84 bilhões de Investimento Direto no País (IDP) ligado à participação em empresas – um aporte considerado de melhor qualidade, já que diz respeito a aquisições ou a novos projetos, como a instalação de fábricas. O volume é recorde para um primeiro trimestre.

Somente os chineses já colocaram mais de US$ 20 bi, como você pode conferir em artigo publicado já há algum tempo: GRUPOS CHINESES DEVEM TRAZER US$ 20 BI PARA O BRASIL EM 2017

Com os dados atuais se descontado o dinheiro que regressou ao exterior, US$ 955 milhões, ainda assim a cifra chama atenção: US$ 13,88 bilhões. Nos primeiros três meses do ano, o IDP total – que considera investimentos em participações e também operações intercompanhias, como empréstimos – somou US$ 23,94 bilhões, 41% superior ao visto no mesmo período de 2016. Mais que o montante, contabilizado pelo Banco Central, chama a atenção o fato de os recursos voltados especificamente para a produção estarem crescendo.

De janeiro a março os estrangeiros já foram responsáveis pelo ingresso de US$ 14,84 bilhões de Investimento Direto no País (IDP).

De janeiro a março os estrangeiros já foram responsáveis pelo ingresso de US$ 14,84 bilhões de Investimento Direto no País (IDP).

O colega Silvio Campos Neto, da Tendências Consultoria Integrada confirmou uma projeção para 2017 de uma entrada total de US$ 78 bilhões de IDP – o que, particularmente considero como uma projeção “pessimista”, considerando o início do ano e as perspectivas para os próximos meses.

Para fundamentar a recuperação o índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), teve um crescimento de 1,12% no primeiro trimestre sobre os três últimos meses de 2016, confirmou o BC hoje, sinalizando o início de uma ainda lenta recuperação econômica, porém inevitável.

Ainda hoje a previsão do mercado para a inflação em 2017 caiu pela décima vez seguida, o Relatório de Mercado Focus, divulgado agora mostra que a mediana para o IPCA – o índice oficial de inflação – em 2017 foi de 4,01% para 3,93%. Há um mês, estava em 4,06%. A projeção para o IPCA de 2018 também diminui na semana e foi de 4,39% para 4,36%, ante 4,39% de quatro semanas atrás.

Então, stop crying, vamos parar de mimimi, arregaçar as mangas e aprender a faturar todo esse dinheiro que já está circulando no meio industrial há um bom tempo.

Fonte – BVMI – Licio Melo – OESP

#industrialsales
#vendasindustriais
@LicioMelo

Compartilhe essa notícia com seus contatos: