Fundador da Niely vai investir R$ 200 milhões em nova marca

Empresário já está investindo R$ 10 milhões na construção de uma sede para a nova empresa

Quase cinco anos após vender sua fabricante de produtos para cabelos Niely para a francesa L’Oréal, por mais de R$ 1 bilhão, o empresário Daniel Fonseca de Jesus, de 60 anos, vai retornar ao mercado que fez dele um dos empreendedores mais conhecidos do país, o de cosméticos.

Com investimento de R$ 200 milhões nos próximos dois anos, o empresário vai lançar em setembro uma nova marca, de distribuição nacional, com 86 produtos das linhas de coloração para cabelos e de tratamento – como xampus, condicionadores, cremes para pentear e silicone, entre outros.

Os investimentos envolvem desde a montagem de equipe até o marketing do novo negócio, como publicidade e campanhas em pontos de venda. Uma atriz global a ser anunciada será a cara – e os cabelos – da nova marca. Cerca de 300 expositoras serão contratadas para apresentar os produtos às clientes em lojas pelo país.

“Estou de volta ao mercado. E queremos ser uma grande empresa de cosméticos”, diz Daniel de Jesus, na sede de sua holding Milano, na Barra da Tijuca.

“Queremos 10% do mercado de coloração e tratamento em cinco anos. Serão cinco anos de trabalho duro de marketing, distribuição, vendas. Trabalho formiguinha, de segunda a segunda”.

O empresário prefere manter, por enquanto, o nome da nova marca sob sigilo – faltam detalhes para anunciá-la, como concluir uma negociação sobre o domínio de internet, já que a endereço está registrado por um pequeno empresário. Quando fundou a Niely, o nome foi uma homenagem à filha Danielle.

Como considera o mercado de cosméticos maduro, com baixo crescimento ano a ano, a participação almejada viria das fatia de concorrentes, como a Koleston (Wella) e da própria Niely, a empresa que fundou em 1986 e que chegou a faturar R$ 540 milhões em 2014, quando foi vendida.

O carro-chefe de Daniel de Jesus deverá ser novamente o produto de tintura cor creme, segmento que fez da Niely uma campeã de vendas por meio da marca Cor&Ton. Segundo ele, o produto da agora concorrente ainda venderia cerca de 5 milhões de unidades mensais no país.

“Sempre tivemos a formulação da coloração creme. O que precisamos foi atualizar a fórmula“, diz o empresário, que contratou assessorias do país e do exterior para desenvolvimentos dos produtos. “Para frente, podemos avaliar linhas de produtos de maquiagem e tratamento de pele.”

O retorno ao mercado de cosméticos foi possível com o término do período de “quarentena” (cláusula de não competição) do empresário na L’Oréal, no fim do ano passado. Desde que vendeu a empresa em 2014, ele vinha ocupando o cargo de vice-presidente do comitê estratégico da L’Oréal.

“Eu fui comunicar pessoalmente para a L’Oréal a decisão de entrar novamente no mercado de cosméticos. Cumpri nossos acordos e ser decente é a melhor coisa que existe”, diz o empresário, acrescentando que sua relação com a gigante francesa sempre foi positiva.

“Eles disseram que não queriam ter a gente como concorrente”.

O empresário costuma dizer que a motivação da venda da Niely não foi dinheiro, mas o reconhecimento de que sua empresa tinha produtos de qualidade a ponto de interessar à maior do setor no mundo.

Toda essa capitalização, porém, será evidentemente um diferencial em seu retorno ao setor, além da experiência acumulada ao longo de 30 anos nesse mercado.

“Quando fundei a Niely eu não tinha dinheiro e nem experiência, mas o mercado não estava maduro. Agora somos capitalizados e temos experiência, mas o mercado está maduro. São desafios opostos”, diz o empresário. “Nosso diferencial seguirá o mesmo de 20 anos atrás, que é distribuição e qualidade.”

“Vou novamente focar nas classes C, D e E. Prefiro vender cem pedidos de R$ 2 mil do que um pedido de R$ 100 mil. No primeiro caso, se dez pedidos pararem, ainda tenho noventa. No segundo caso, se um pedido faltar, eu fecho a fábrica”, acrescenta o empresário, que desta vez vai terceirizar a produção. Ele espera definir um sócio dentro de 60 a 90 dias.

Em paralelo, Daniel de Jesus está investindo R$ 10 milhões na construção de uma sede para a nova empresa e sua holding. A empresa será presidida por ele e terá na vice-presidência geral sua filha mais velha, Danielle, que passou uma temporada na L’Oréal em Nova York após a venda da empresa.

A volta ao setor de cosméticos não significa, contudo, uma saída da aposentadoria. Daniel de Jesus, na verdade, nunca se aposentou. Além do cargo que ocupou na L’Oréal, sua holding Milano tem participação no Taco Bells, na Eleva, na Cultura Inglesa e em um empreendimento de 1,2 mil imóveis em Nova Iguaçu (RJ), entre outras.

FonteBVMI – Bruno Villas Bôas

Dica do BVMI – Trabalhe na L’Oréal Brasil, acesse “L’ORÉAL TALENT”, desejamos a todos boa sorte nos negócios e em seu processo de recolocação!

Dica de negócios – Clientes CityCorp já faturaram nos primeiros meses de 2019 mais de US$ 511 milhões. Eles já sabiam destes investimentos com antecedência, tinham em mãos quem eram as pessoas responsáveis pelos projetos, agilizando o contato assertivo (com os decisores) e já estão realizando rentáveis negócios na cadeia de novos fornecedores formada para atender as necessidades desta nova marca e sede administrativa. Este e mais de 18 mil investimentos industriais estão à disposição de nossos clientes ativos, conheça o Projeto OObi e venda com relacionamento, inteligência e rentabilidade no mercado industrial.

Dica de OURO – Aprenda a VENDER no mercado Industrial, leve para sua empresa no formato In Company o HPIS – HIGH PERFORMANCE INDUSTRIAL SALES e com uma metodologia exclusiva de vendas faça seu negócio faturar milhões.

#industrialsales
#vendasindustriais
@LicioMelo

Compartilhe essa notícia com seus contatos: